Secretaria Municipal de Educação

SIMONE APARECIDA MANOEL CORRENTE - Secretária Municipal

Contato: (28) 3552-3540 - Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

+ Informações

Endereço:
PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRE
Secretaria Municipal de Educação
Praça Sebastião Monteiro Nogueira da Gama, 16
Alegre - Espírito Santo - CEP 29500-000
 
Telefones de contato:
  • Secretaria de Educação - Gabinete: (28) 3552-3540 / 3552-4407
  • Comunicação: (28) 3552-1325
  • Almoxarifado (Merenda Escolar e Apoio Administrativo): (28) 3552-4627
  • Financeiro / Tesouraria: (28) 3552-4658
  • Setor de Recursos Humanos: (28) 3552-4716
  • Setor de Transporte Escolar: (28) 3552-3539
  • Setor de Vida Escolar: (28) 3552-3195
  • Conselhos Municipais: (28) 3552-2728
  • Escola Luciano Duarte: (28) 3552-4305
  • Escola Ruth Alice: (28) 3552-1010
  • CEMEI Tereza Fiorezi: (28) 3552-3762

Imprimir

Edital SEME 002/2017 - Processo Seletivo Simplificado de Formadores Locais para atuação no PNAIC

Escrito por Publicador ligado . Publicado em Secretaria de Educação

EDITAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SEME 002/2017

A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais, torna público o PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO de Formadores Locais para atuação no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC, na rede pública de ensino.

 

EDITAL

CLASSIFICAÇÃO

Imprimir

Gestão anterior perdeu prazos e Alegre fica sem recursos federais para Educação até 2019

Escrito por Publicador ligado . Publicado em Secretaria de Educação

A secretária Municipal de Educação de Alegre, Simone Aparecida Manoel Corrente, traça um panorama pouco alentador em termos de recursos para a sua pasta nos próximos anos. Segundo ela, na gestão anterior da Prefeitura, prazos importantes foram perdidos e a administração pública deixou de ganhar, entre outros benefícios, quatro ônibus novos e 1.200 carteiras escolares. A perda dos prazos também impossibilita a entrada de recursos federais importantes até 2019.

Na entrevista que segue, Simone, que já foi secretária de Educação em Ibitirama, fala sobre a retomada de ações na área e comenta sobre a polêmica em torno da chegada do Programa Escola Viva em Alegre, que, assim como ocorreu em outros municípios do Espírito Santo, gerou protestos antes de ser aprovado pela população.

Aquinoticias.com- Como e por que Alegre perdeu recursos para a Educação?

Simone Corrente - Uma porta de recursos para o município é o PAR, que é o Programa de Ações Articuladas do Ministério da Educação. É como se fosse um programa-mãe, que automaticamente abre um espaço para que a gente possa inserir todas as nossas necessidades da educação de modo geral e, com o diagnóstico e monitoramento desse programa, você consegue alcançar esses recursos em períodos definidos pelo próprio Ministério. O que aconteceu nos últimos quatro anos? O município não conseguiu administrar a ferramenta do PAR e, paralelamente a isso, não conseguiu administrar nenhum outro programa do Ministério da Educação. Quando a gente iniciou o trabalho lá no período de transição, a gente conseguiu ter acesso a essa deficiência e já inserimos dentro do planejamento dos 100 primeiros dias esse processo de retomar esses programas e esses recursos. Ainda no período de transição eu fiz contato com a secretária da gestão anterior e solicitei que fosse feita a adesão ao programa Novo Mais Educação, o que tinha que ser feito até novembro. Ela atendeu ao pedido e nós conseguimos os recursos para atender sete escolas, girando em torno de R$ 20 mil.

Depois a gente se deparou com aquilo que ficou pra trás. O município deixou de assinar dois termos de adesão que dariam direito a dois ônibus escolares cada, ou seja, perdemos quatro ônibus novos e completamente adaptados a portadores de necessidades especiais. Hoje nós só temos um ônibus que está em situação precária. O município também deixou de ser contemplado com cerca de 1.200 jogos de carteiras escolares. As carteiras hoje do município são em sua grande maioria carteiras sucateadas. Nós tivemos escolas com problema de aluno ter que dividir carteira com colega. Pedimos um apoio de mobiliário ao Governo Estadual e eles puderam nos atender em parte. Nós tentamos recuperar de todas as maneiras os termos de referência, mas o prazo tinha expirado em 2015. Também pudemos observar que o município deixou de ganhar material multimídia. O próprio Programa Escola Acessível nós estamos conseguindo destravar agora os recursos que são destinados a fazer todo tipo de adaptação para os alunos portadores de necessidades especiais. O município também não avançou em relação ao Pró-Infância, que é uma creche-modelo. Aqui nós temos no distrito do Café uma creche desses moldes, que foi construída ainda na primeira gestão do prefeito José Guilherme (quando assumiu em 2010 após renúncia do Doutor Djalma). Nós também não podemos deixar de citar que os programas que vão direto para as escolas também dependem desse monitoramento do PAR.

AN - E a retomada do PAR deve durar quanto tempo?

Simone - O processo de diagnóstico deve durar até outubro. Paralelo a isso, nós já estamos fazendo outras adesões via convênio com o Governo Estadual. Por exemplo, nós aderimos ao plano de assistência técnica para atualização do Plano de Carreira e Remuneração (PCR) do magistério. É um problema hoje de muitos municípios o pagamento do piso nacional. Alegre foi um dos dois únicos municípios dos 78 do Estado que não aderiram ao PCR, que começou a funcionar em 2015. Esse programa orienta os municípios a fazer um estudo detalhado dos planos de carreira pra poder conhecer a documentação e entender onde mora o problema para conseguir fazer a adequação ao piso nacional. Logo no início da gestão, nós fizemos uma solicitação de adesão e fomos prontamente atendidos, já tem uma comissão constituída, e essa comissão já está fazendo um trabalho de estudo.

Leia a entrevista na íntegra. 

Lucas Schuina/ Jornal Folha do Caparaó

 

 
Imprimir

Alunos da EMEF Luciano Duarte curtem dia de brincadeiras no Parque de Diversões em Alegre

Escrito por Comunicação ligado . Publicado em Secretaria de Educação

A sexta-feira (18) foi marcada pela alegria de 156 crianças da EMEF Luciano Duarte que brincaram e se divertiram no Parque de Diversões que está na cidade. A ação aconteceu graças a iniciativa e parceria da Secretaria Municipal de Educação com a empresa de recreação.

Os alunos puderam sair do ambiente escolar e se divertir gratuitamente nos brinquedos que estão na cidade. Para a secretária municipal de Educação, Simone Corrente, este é um momento que também contribui para a formação dos alunos. “A educação não é feita apenas da sala de aula, a parte de recreação e vivências de outras atividades contribui para o desenvolvimento integral das crianças”, conclui a secretária.

Imprimir

Programa estimula criatividade e qualidade de ensino para alunos de Alegre

Escrito por Publicador ligado . Publicado em Secretaria de Educação

Mais de 500 alunos das escolas municipais de Alegre estão participando do programa Novo Mais Educação, criado pela lei nº 1.144/2016, através de uma parceria entre o Ministério da Educação (MEC) e secretarias estaduais, distritais e municipais de Educação em todo Brasil. Em Alegre, o projeto reúne alunos das Escolas EMEFTI Luciano Alves Duarte, EMEIF Ruth Alice, EMEF George Abreu Rangel, EMEF Ziolita Maria da Silveira, CIEC Jacy Kobbi Rodrigues, EMEF Carmelita Machado de Moraes, EMEIF Domingos Bravo Reinoso.

O programa do Governo Federal iniciou em abril e se estende até dezembro. “Para Alegre, esta é uma importante iniciativa que visa, acima de tudo, desenvolvimento da capacidade criativa, formação da personalidade, das habilidades e potenciais dos alunos. Ele amplia a aprendizagem em outros níveis através da comunicação, da experimentação de diferentes metodologias de ensino que só contribuem para a qualidade do ensino”, comenta a secretária municipal de Educação, Simone Manoel Corrente.

O Novo Mais Educação visa ampliar a jornada escolar de crianças e adolescentes, mediante a complementação da carga horária de cinco ou 15 horas semanais no turno e contra turno. Os alunos são beneficiados com aulas extraclasse de Língua Portuguesa e Matemática, e atividades ligadas aos campos das artes, cultura, esporte e lazer, com aulas de canto e coral, dança, capoeira, artesanato, entre outras. O programa tem duração de oito meses, conforme prevê a lei.

 

Consola de depuração Joomla

Sessão

Dados do perfil

Utilização de memória

Pedidos à Base de dados